16/08/2011 14h13 - Atualizado em 16/08/2011 14h13

Comércio de roupas usadas é comum em Amambai

Fernanda Moreira / Da Redação

 
Fotos: Moreira Produções

O comércio de roupas usadas é algo presente em Amambai, são diversos pontos de comércio espalhados pela cidade toda que trabalham com esse ramo. Apenas na Rua da República, próximo à Avenida Nicolau Otano, são mais de seis brechós próximos um do outro.

Segundo a proprietária de um dos comércios de roupas usadas, Fabiane B. Schindler, que trabalha há dois anos com esse tipo de negócio, o ramo é disputado, mas mesmo assim, bastante rentável. “Tem muita concorrência, mas acho que se a pessoa tem bastante mercadoria de qualidade, o brechó pode ser lucrativo sim, dá pra manter funcionária, pagar as contas e fazer compras, e no começo do mês que tem mais movimento” diz ela.

A compra das peças que são vendidas nos brechós é feita tanto por telefone quanto em pessoa. “Eu viajo pra São Paulo, trago as peças de lá, quando chega alguma coisa nova, fica harmonizada em Ponta Porã e depois nós compramos o fardo fechado, é uma desvantagem por não poder escolher exatamente o que se quer, mas quando vou comprar as roupas novas, aí eu mesma escolho” explica Fabiane, que também trabalha com roupas novas.

O principal comprador desse tipo de comércio de roupas é a população indígena. Eles aproveitam o fato das roupas serem mais baratas e ter bastante opção. "Eu compro roupa aqui porque é barato mesmo, e tem roupa pra toda a família", diz a indígena Aparecida Matos, que procurava roupas e calçados para os filhos.

 
Fotos: Moreira Produções

O mercado de roupas usadas é abrangente, tendo peças para todos os gostos e estilos, mas a demanda maior é por peças masculinas adultas e roupinhas de bebê e crianças, além de calçados. “O difícil aqui é achar roupas pra homem, principalmente calças jeans usadas, o pessoal não procura revender, e quando aparece alguma, às vezes está em mal estado de conservação. O que mais sai é roupa de homem e de criança, além de sapatos de criança”, diz Valdir Garbin que trabalha com brechó há três meses.

“Eu já tinha o local, então, não pago aluguel. E quem atende é a minha família, ou seja, nós não temos muita despesa, então pra nós é um comércio bastante lucrativo”, conta ele.

Valdir também compra roupas usadas de São Paulo, nos fardos fechados, mas também compra em Amambai mesmo e revende, como na maioria do comércio de roupa usada, os que mais consomem as mercadorias são indígenas e pessoas que trabalham em fazendas. “A maior parte da clientela é de indígenas, então eles recebem o pagamento e vem comprar roupas, e pessoal de fazenda também compra bastante roupa em brechó, sempre tem consumidor para esse negócio”, conclui ele.

 
Fotos: Moreira Produções

Para o casal Juliana da Cruz Escobar Barreto e Ailton Paiva Barreto, o comércio de roupas usadas é uma forma de alcançar o sonho de ter uma loja de roupas novas. “Começamos com o brechó há um mês, e temos a vontade de ter nossa loja de roupas novas, mas o investimento é alto. Melhor começar de baixo e ir com a certeza de que dará certo”, diz Ailton.

Eles concordam que o comércio de roupas usadas dá lucro para quem sabe investir na mercadoria. “Às vezes compramos por telefone, aí não vem só o que a gente pede, vem outras coisas também, mas quando a loja é bem abastecida, tem bons produtos, os clientes procuram e dá lucro sim”, completa Ailton.

Envie seu Comentário

(6 Comentários)

Os comentários feitos no Amambai Notícias são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Amambai Notícias não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restam caracteres. * Obrigatório
 

Bom dia
Gostaria de uma lista de comercio de venda de roupas usadas em São Paulo, lojas confiáveis e que vendem roupas em boas condições, pois vou a São Paulo e gostaria de já ter os endereços em mãos é possível? agradeço a atenção.

 
eliana tamar em 01 de outubro de 2013 - terça às 10:33

ola tenho algumas peças de roupa e calçado usado que veio da europa . gostava de saber se voçes estao interessados em comprar

 
maria do carmo em 15 de janeiro de 2013 - terça às 15:55

Gostaria saber como adquiro uma lista de endereço para compras de roupas em fardos , usadas , mas que vendem de boa conservação.
Estou desempregado, minha casa foi carregada por chuvas no RJ, hoje to numa pensão quero ajudar minha familia.. Alguem possa me ajudar?
Grato pela atenção..
walter.santos@uol.com.br

 
Walter.Santos. em 07 de janeiro de 2013 - segunda às 15:48

quero vende ropas usadas mi mande presos de frado

 
jeremias alcantara da rocha em 30 de janeiro de 2012 - segunda às 15:36

gostaria de saber se vocês me vendem só calça jeans tanto pra homem como pra mulher. pois quero comprar muitas. abraço.

 
maria de lourdes moura castro em 06 de setembro de 2011 - terça às 14:36

moro nos estados unidos e estou querendo mandar roupas usadas para minha irma vender no brasil,gostaria de saber como funciona ,de que forma colocaria o preco pra chegar la no brasile ela vender.

 
arlete garcia em 18 de agosto de 2011 - quinta às 08:54
 
 
 
 
 
Enquete