04/06/2018 09h00

Operação Corpus Christi da PMA terminou nesta segunda-feira (4)


Fonte: Portal do MS

 
Polícia Militar Ambiental Polícia Militar Ambiental

Campo Grande (MS) – A Polícia Militar Ambiental (PMA) colocou desde quarta-feira (30), às 12h, 280 homens a campo em operação preventiva e repressiva aos crimes e infrações ambientais no Estado, a qual terminou às 8h desta segunda-feira (4).

A operação Corpus Christi objetiva colocar o efetivo nos rios, em barreiras nas estradas, fiscalização em propriedades rurais, em locais de belezas naturais de prática de turismo cênico e de recreio e outras variáveis de interesse ambiental, para prevenir e combater infrações e crimes que possam degradar esses recursos naturais.

Foram praticamente quatro dias de feriado, em razão de decretos de pontos facultativos para repartições públicas estaduais e também em vários municípios. A PMA possui 25 subunidades, estas cuidaram de suas respectivas áreas, colocando, inclusive, o efetivo administrativo a campo.

A sede (Campo Grande) esteve com equipes itinerantes agindo em todo território de Mato Grosso do Sul. A PMA se preparou para um grande fluxo de turistas locais e de outros estados, em especial, para a prática de pesca, portanto, a fiscalização foi intensificada nos rios mais piscosos e atrativos para evitar a pesca predatória, mas o combate ao transporte de produtos perigosos, desmatamento, exploração ilegal de madeira, incêndios, às carvoarias ilegais e ao transporte de carvão e de outros produtos florestais, caça, bem como demais crimes contra a flora foi intensificado.

 
A fiscalização nas rodovias é uma das ações dos policiais militares ambientais. A fiscalização nas rodovias é uma das ações dos policiais militares ambientais.

Informação Relativa à Legislativa de Pesca

Petrechos proibidos para o pescador amador

Cercado, pari ou qualquer aparelho fixo; do tipo elétrico, sonoro ou luminoso; fisga, gancho ou garateia, pelo processo de lambada; arpão, flecha, covo, espinhel ou tarrafão; substância tóxica ou explosiva; anzol de galho; qualquer aparelho de malha (ex.: redes, tarrafas, sainha, etc.).

Cota para captura – 10 kg mais um exemplar de qualquer peso, desde que não seja do tamanho inferior permitido e cinco exemplares de piranha.

Transporte – efetuar a vistoria e lacre nos Postos da PMA. Necessária a licença de pesca, que também pode ser adquirida pelo site.

Petrechos proibidos para o pescador profissional

Cercado, pari ou qualquer aparelho fixo; do tipo elétrico, sonoro ou luminoso; fisga, gancho ou garatéia, pelo processo de lambada; arpão, flecha, covo, espinhel ou tarrafão; substância tóxica ou explosiva; qualquer aparelho de malha (ex.: redes e tarrafas).

Permite-se ao pescador profissional – tarrafa para captura de isca (altura máxima de 2 metros, malha de 2 a 5 centímetros e linha de náilon com espessura máxima de 0,50 mm), somente para a captura de iscas vivas; oito anzóis de galho devidamente identificados, cinco boias fixas (cavalinho).

Cota – 400 kg por mês

Para informações mais detalhadas, os pescadores podem ter acesso à Cartilha do Pescador nos postos da PMA ou imprimi-la por este link.

 
A PMA possui 25 subunidades que cuidarão de suas respectivas áreas, colocando, inclusive, o efetivo administrativo a campo. A PMA possui 25 subunidades que cuidarão de suas respectivas áreas, colocando, inclusive, o efetivo administrativo a campo.

Informação Relativa à Legislativa de Pesca

Petrechos proibidos para o pescador amador

Cercado, pari ou qualquer aparelho fixo; do tipo elétrico, sonoro ou luminoso; fisga, gancho ou garateia, pelo processo de lambada; arpão, flecha, covo, espinhel ou tarrafão; substância tóxica ou explosiva; anzol de galho; qualquer aparelho de malha (ex.: redes, tarrafas, sainha, etc.).

Cota para captura – 10 kg mais um exemplar de qualquer peso, desde que não seja do tamanho inferior permitido e cinco exemplares de piranha.

Transporte – efetuar a vistoria e lacre nos Postos da PMA. Necessária a licença de pesca, que também pode ser adquirida pelo site.

Petrechos proibidos para o pescador profissional

Cercado, pari ou qualquer aparelho fixo; do tipo elétrico, sonoro ou luminoso; fisga, gancho ou garatéia, pelo processo de lambada; arpão, flecha, covo, espinhel ou tarrafão; substância tóxica ou explosiva; qualquer aparelho de malha (ex.: redes e tarrafas).

Permite-se ao pescador profissional – tarrafa para captura de isca (altura máxima de 2 metros, malha de 2 a 5 centímetros e linha de náilon com espessura máxima de 0,50 mm), somente para a captura de iscas vivas; oito anzóis de galho devidamente identificados, cinco boias fixas (cavalinho).

Cota – 400 kg por mês

Para informações mais detalhadas, os pescadores podem ter acesso à Cartilha do Pescador nos postos da PMA ou imprimi-la por este link.