12/01/2018 14h07

Saiba o que está por trás da polêmica nomeação de Cristiane Brasil por Temer

Impedida de tomar posse, parlamentar articulou apoio do PTB ao golpe e votou a favor de medidas austeras do governo


Fonte: Brasil de Fato / Por: Cristiane Sampaio

 
Cristiane Brasil (PTB-RJ) votou a favor do golpe de 2016 usando camisa da Seleção Brasileira / Antônio Augusto/Agência Câmara
Cristiane Brasil (PTB-RJ) votou a favor do golpe de 2016 usando camisa da Seleção Brasileira / Antônio Augusto/Agência Câmara

O nome da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) virou a polêmica dos últimos dias entre os assuntos que envolvem o governo golpista de Michel Temer (MDB), ex-PMDB.

Nomeada por ele no último dia 4 como nova ministra do Trabalho, ela foi impedida judicialmente de tomar posse por já ter sido condenada na Justiça do Trabalho por violação de direitos. O magistrado responsável pelo caso considerou que a nomeação da petebista ofende o princípio da moralidade administrativa.

Cristiane Brasil é filha de Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e delator do mensalão. Para o líder da bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), a nomeação está relacionada à preocupação de Temer com o fortalecimento da relação com Jefferson.

"Isso revela que a relação que o Temer tem hoje com o Roberto Jefferson é de dependência, de compromisssos com certeza não republicanos cujo pagamento passa pela nomeação da filha ministra", diz.

Parlamentar de caráter conservador, Cristiane Brasil foi a responsável pela articulação que levou a legenda a fechar questão a favor do golpe que afastou a presidenta Dilma Rousseff (PT), em maio de 2016.

Seu partido, o PTB, pertence a um bloco parlamentar que reúne também os partidos Pros, PSL e PRP. Juntos, eles somam 26 deputados. Por esse motivo, a oposição entende que a nomeação é uma moeda de troca para que Temer consiga aprovar a reforma da Previdência, que deve ser votada em fevereiro.

Para aprovar a reforma, o governo precisa de 308 votos e hoje conta apenas com cerca de 260. Pelo menos cem deputados ainda estariam indecisos.

Para o líder do Psol na Câmara, Glauber Braga, do Rio de Janeiro, uma eventual desistência de Temer quanto à indicação da deputada poderia prejudicar a relação com vários partidos menores da base aliada: "seria uma demonstração pro 'baixo clero' de que o governo não está defendendo os interesses deles nesse processo de disputa pra fora da Câmara, então, ele tem que dar demonstrações de que defende o interesse dos deputados que dão sustentação ao governo".

Na Câmara Federal, Cristiane Brasil está em seu primeiro mandato. Nos últimos dois anos, ela votou favoravelmente às propostas do governo, incluindo o Teto dos Gastos Públicos, a reforma trabalhista e a terceirização para as atividades-fim. A deputada também se posicionou a favor de Temer na votação das duas denúncias criminais apresentadas contra ele pelo Ministério Público Federal.

O Brasil de Fato tentou ouvir a deputada através de sua assessoria, mas não conseguiu contato. Ela tem dito à imprensa que não irá abrir mão do cargo.

Edição: Vanessa Matina Silva

Envie seu Comentário