Polícia achou provas contra pais da menina Madeleine

Polícia achou provas contra pais da menina Madeleine

 

Um dos 250 mil documentos diplomáticos secretos divulgados recentemente pelo site WikiLeaks revela que a polícia britânica encontrou provas contra os pais da menina Madeleine McCann, desaparecida em Portugal no dia 3 de maio de 2007, quando tinha 4 anos. As informações são do jornal espanhol El País.

Madeleine desapareceu do apartamento de um condomínio em Praia da Luz, em Portugal, quando dormia com os dois irmãos gêmeos. No momento do desaparecimento, o casal de médicos Kate e Gerry, pais da menina, jantavam com amigos em um restaurante do condomínio.

O casal declarou que a filha tinha sido sequestrada, mas foi considerado suspeito por morte acidental e ocultamento do cadáver no caso Maddie, como ficou mundialmente conhecido o desaparecimento. Em julho de 2008, Kate e Gerry foram absolvidos por falta de provas.

Segundo informa o El País, o documento confidencial foi enviado em 22 de setembro de 2007, apenas 20 dias depois dos pais abandonarem Portugal precipitadamente após terem sido interrogados como suspeitos.

No telegrama, o então novo embaixador do Reino Unido em Lisboa, Alexander W. Ellis, admite ao colega americano, Alfred Hoffman, que foi a polícia britânica quem encontrou provas contra o casal McCann. Segundo escreve Hoffman, Ellis "não entrou em detalhes sobre o caso", mas admitiu que "havia sido a polícia de seu país quem achou as provas".

Ainda de acordo com o documento, a imprensa internacional informou que foram os detetives britânicos, com a ajuda de cães trazidos da Inglaterra, que identificaram as provas do suposto assassinato na época. O telegrama confidencial registra que os indícios - cheiro de cadáver, sangue e restos de fluídos corporais - teriam sido descobertos na parede do quarto e no porta-malas do carro que o casal tinha alugado.

Fonte: Correio do Estado