14/03/2019 09h12

Governo do Estado, Fiems e Famasul formam grupo para discutir cadeia produtiva da borracha


Fonte: Portal Ms

 

A formação de um grupo de trabalho que reúne Governo do Estado, Federação das Indústrias de MS (Fiems) e Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) para trabalhar no planejamento de curto, médio e longo prazo da cadeia da seringueira em Mato Grosso do Sul, foi destacada pelo Superintendente da Semagro, Rogério Beretta, como um importante passo na busca pela reestruturação do setor. O grupo foi formando durante o ‘Encontro da Borracha’, realizado no último dia 12 de março, na sede da Casa Rural, na capital.

O Superintendente comentou que, com base no diagnóstico produzido pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), que expôs a realidade da área plantada em Mato Grosso do Sul e das entradas de produção até 2026, surgiu a necessidade de pensar a cadeia como um todo e fazer um planejamento de crescimento e estruturação, com análise inclusive da possibilidade da vinda de unidades de processamento para o Estado, e por isso o grupo foi organizado.

"A heveicultura é uma opção para diversificação de produção para as propriedades rurais. A estruturação do setor, da produção ao processamento da matéria prima, poderá trazer resultados sociais e econômicos para o Estado", afirmou o presidente da Famasul, Mauricio Saito.

Saito comentou ainda que existe um déficit de 170 mil hectares de áreas para tornar a produção nacional de borracha autossuficiente e que, segundo zoneamento nacional para seringueiras feito pela Embrapa, Mato Grosso do Sul possui áreas degradadas com aptidão para o cultivo da floresta. "O propósito é encontrar alternativas para efetivamente avançar e fortalecer o segmento", destacou.

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, falou dos pontos de desenvolvimento do setor. "A ideia é ampliar as possibilidades da seringueira, industrializar a matéria prima e mostrar o quanto ela tem potencial". Segundo Longen, a cadeia da borracha é competitiva e organizada. "Nossa missão é contemplar novas tecnologias e o processo desta atividade".

O presidente da Reflore/MS e do Sindicato Rural de Água Clara, Moacir Reis, contextualizou o cenário no Estado. "No início pouco se falava na borracha e hoje é uma atividade que se potencializa e envolve famílias. Acredito que Mato Grosso do Sul está no caminho certo pois tem os pré-requisitos para essa cultura", disse ele.

Representando a Assembleia Legislativa, o deputado estadual, Capitão Contar, presidente da Comissão de Turismo, Indústria e Comércio e vice-presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Políticas rural, agrária e pesqueira, afirmou: "Discutir tanto o lado da indústria como do produtor rural é a receita para que a atividade ganhe força no Estado".

O presidente do Sindicato Rural de Aparecida do Taboado, Eduardo Sanchez, valorizou a iniciativa e destacou o pioneirismo dos produtores do Estado. "Com o apoio do Saito e o trabalho da ministra da Agricultura, Tereza Cristina Correa da Costa Dias, em Brasília, nossa expectativa é positiva. Muita coisa tem sido feita".

Também participaram do encontro na sede da Famasul o diretor-secretário do Sistema Famasul, Frederico Stella; diretor-tesoureiro do Sistema Famasul, Marcelo Bertoni; o superintendente do Senar/MS, Lucas Galvan; o presidente da Aprosoja/MS, Juliano Schmaedecke; representando a Secretaria de Fazenda, Jader Julianelli Afonso; o diretor executivo da Reflore, Dito Mário; a diretora técnica do Sistema Famasul, Mariana Urt, além de produtores rurais e representantes do setor industrial.

Envie seu Comentário